Troca de Habitação por Sobregarregamento de Empréstimos

Esta com problemas nos empréstimos à habitação, que tal fazer a troca de habitação para reduzir os custos das prestações da casa com a CGD

Quer fazer a troca de habitação ou deseja trocar a casa com custo de financiamento muito alto por outra de custo mais barato? Essa é a iniciativa do programa que a Caixa Geral de Depósitos (CGD), criou para famílias que estão sobrecarregada com empréstimos à habitação. A solução encontrada pela CGD para amenizar a situação de muitas famílias endividadas é a troca. O programa permite trocar por um crédito mais barato ou até mesmo o arrendamento.
Troca de Habitação por Sobregarregamento de Empréstimos

O objetivo do “programa troca de casa” da Caixa Geral de Depósitos (CGD) consiste na preservação da habitação de centenas de famílias que se encontram com problemas financeiros para honrar suas prestações. As famílias interessadas em participar do processo de troca terão duas opções para realizar a operação:

1 -) Vender a habitação atual para o fundo de investimento imobiliário para arrendamento da CGD ou;

2 -) Arrendar outra casa do fundo com uma renda mais baixa.

Na transação de troca de habitação, o mutuário terá que arcar com o novo valor mensal da prestação da casa, o que é absolutamente normal, porém alguns custos e ancargos viraram benefícios, os custos com condomínio e imposto municipal sobre imóveis são livres, e ainda terá o direito de recompra do imóvel.

Outra solução viável para o mutuário é a opção de vender a casa e comprar uma outra propriedade da Caixa Geral de Depósitos (CGD) com um valor mais razoável, nesse caso faz se um novo crédito à habitação com custos financeiros mais baratos e que estejam mais compativeis com o orçamento da família. “Neste caso, o empréstimo para a nova habitação manteria as condições de financiamento do contrato anterior, ainda que o cliente tenha de suportar custos de registos e impostos“.

Para ficar mais claro como ficaria uma operação nessa modalidade, um “empréstimo à habitação” no valor de 200 mil em que o mutuário deseje trocar por um empréstimo à habitação de 150 mil, a diferença de 50 mil é deduzida do saldo devedor que o mutuário ainda têm com o CGD, a conta é simples e funciona assim para todas as simulações de valores.

Mais outro detalhe que é importante lembrar quanto ao valor das prestações, em geral a redução das prestações da dívida por troca de habitação é siginficativa para o mutuário, dá para economizar até 40% ou mais dependendo do valor da nova operação, um bom dinheiro por sinal.

Comente aqui !