Financiamento : Redução dos juros do Minha Casa, Minha Vida

Conselho do FGTS reduz juros e eleva teto de financiamento para compra de imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida do Governo federal

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aumentou de R$ 170 mil para R$ 190 mil o teto de financiamento de imóveis do Programa Minha Casa, Minha Vida nas regiões metropolitanas de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Para municípios com mais de um milhão de habitantes e demais capitais, o valor máximo subiu de R$ 150 mil para R$ 170 mil.

Além do teto com valor aumentado em R$ 20 mil, o Conselho Curador do FGTS atualizou também o valor do subsídio para as famílias de baixa com renda, os antes R$ 3.100 passou para R$ 3.275, o valor máximo a que o beneficiário tem direito subiu para R$ 25 mil, antes era R$ 23 mil. Com a redução em um ponto percentual da taxa de juros nos financiamentos no programa Minha Casa Minha Vida às famílias com renda entre R$ 3.275,01 e R$ 5.000 a taxa cai, na prática, de 8,16% para 7,16% ao ano.

Nas transações no âmbito do FGTS, a renda familiar pode chegar a R$ 5.400, porém a taxa permanece em 8,16% para rendas superiores a R$ 5.000. Foram beneficiadas também com a redução de juros as famílias com renda entre R$ 2.325,01 e 2.455, cuja taxa cai de 6% para 5. Igualmente foi reduzida para 6% ao ano a taxa de juros para as pessoas com renda entre R$ 3.100,01 e R$ 3.275.

As medidas adotadas pelo Conselho Curador do FGTS são importantes para adequar os valores dos imóveis à variação do INCC e alinhar os empréstimos do FGTS à política de redução de juros. Ele assegurou que, desta forma, estão garantidas a perenidade e a remuneração (TR mais 3% ao ano) dos depósitos do fundo, segundo informou o ministro do Trabalho.

A aplicação de recursos do FGTS no Programa Minha Casa Minha Vida aquecerá mercado da construção civil, que tem como reflexos o a aceleração do crescimento econômico do País, acrescentou Brizola Neto.

Conclusões

Apesar do aumento de valores de R$ 170 mil para R$ 190 mil, ser razoável, essa equiparação serviu apenas para equilibrar o mercado, que já vem aumentando significativamente o valor dos imóveis em quase todas regiões do país é praticamente impossível comprar um imóvel com esse teto de financiamento em algumas cidades, a redução do juros vai deixar nos bolsos do mutuário uma grana extra, tomara que outras taxas não sejam criadas para suportar o custo da redução da taxa.

Fonte do artigo: planalto.gov.br

Comente aqui !