Empréstimo para funeral ou enterro

Quanto custa um funeral ou enterro? Em casos que não há seguro funeral ou seguro de vida do falecido, pegar um empréstimo pessoal poder a única saída. Confira as dicas!

Empréstimo para funeral ou enterro … Quanto custa um funeral ou enterro? Morrer em São Paulo ou dependendo da região do Brasil o custo pode começar em R$ 250 e chegar até os R$ 25 mil de acordo com o perfil financeiro da família do falecido. Em geral são cobrados pelos agentes funerários alguns encargos a título de serviços e produtos que são incluídos nos custos aos familiares.

Outros custos também podem compor o total do cobrado, entre eles os custos de serviços adicionais ou opcionais, como: transporte dos restos mortais, embalsamamento e outras preparações, uso do espaços na funerária para visitas, cerimônias ou serviço memorial, uso de equipamentos e pessoal para um serviço de sepultamento, uso de um carro fúnebre, caixão ou urna, e a cremação ou enterro.

Há também o adiantamentos em dinheiro de taxas cobradas pela funerária por bens e serviços de fornecedores externos em seu nome, que  inclui coroas de flores e o preparo do corpo. Algumas funerárias cobram o custo pelos itens que eles compram em seu nome, outros adicionam uma taxa de serviço ao custo total.

É realmente um fato triste que todos nós precisamos lidar, no entanto, saber exatamente o que fazer, quando e como fazer para enterrar um membro da família pode ajudar a minimizar a tensão do momento e a dor da perda familiar. Só não podemos esquecer que além da dor imensurável, a morte implica muitos gastos, a média é de dois a quatro mil reais.
Empréstimo para funeral ou enterro
No entanto, para os que possuem grana sobrando, alguns enterros podem chegar à até R$ 30 mil ou mais, dependendo da urna (o caixão para enterro ou apenas para velório), do serviço de transporte, as taxas de sepultamento e enfeites florais. Para a maioria das famílias  brasileiras ter que pagar entre R$ 2.000 a R$ 4.000 ou muito mais que isso para enterrar um familiar realmente não é viável. Caso isto, infelizmente, acontece com você, é preciso saber o que fazer na hora do desespero.

Apólice de seguro funerário ou de vida do falecido.

Verifique se existe um seguro funeral ou seguro de vida em nome do falecido que cubra uma parte ou totalmente os custos de enterro e velório. Converse com o banco ou corretor da família pessoalmente ou através do telefone para examinar todos os detalhes, limitações e estipulações conectados a todas as políticas para saber o que exatamente está e não está segurado.

Opções de enterro de baixo custo

Normalmente, cremar o corpo pode sair muito mais em conta do que enterrar o corpo em uma urna, precisa analisar e verificar se a religião do falecido ou familiares concordam com isso. Se não for necessário embalsamar o corpo, considere um “enterro simples” onde você não precisa gastar com cuidados especiais, lápide ou cofres caros. Você também pode comprar um caixão mais modesto com preço acessível pela internet.

Fazer empréstimo para funeral ou enterro

Se você possui um bom score de crédito e está disposto a assumir um empréstimo pessoal, mesmo que seja aqueles empréstimos para negativados com nome sujo, acesse o seu banco ou credor que opções de financiamento com liberação rápida ou em uma financeira de crédito como as lojas da Crefisa.

Não é interessante pegar um empréstimo para funeral ou enterro com saques em dinheiro feitos com um cartão de crédito, as taxas de juros são muito maiores que um empréstimo bancário e mais barato que usar o cartão para as despesas. Realmente não é fácil, ao optar do empréstimo pessoal garanta que não vai acabar se endividando por muitos meses ou até anos.

Dinheiro com membros da família e parentes

Não tem cartão de crédito, não consegue empréstimo para negativados, financeiras ou com agiota, então você não precisa pagar o enterro sozinho, a não ser que queira fazer isso. Considere pedir dinheiro aos familiares (vaquinha para enterro), essa prática ajudar com as despesas do enterro e velório. Deixe alguém próximo encarregado da arrecadação e certifique-se sobre o quanto cada pessoa pode contribuir e anote em um papel, para saber quanto faltará.