Crédito Estudantil do Governo ou Privado – Onde conseguir?

Quer fazer o Crédito Estudantil FIES do Governo Federal ou de instituições privadas para o ensino superior? Onde conseguir? Como é que funciona?

Crédito estudantil pelo Governo Federal ou instituições privadas? Onde conseguir? O crédito estudantil é mais uma forma criada para facilitar o acesso à educação de qualidade em faculdades e escolas técnicas de ensino privado, através do financiamento parcial ou até mesmo total do valor a ser investido. Algumas das opções do crédito estudantil permitem que o beneficiário comece a pagar o valor do financiamento apenas após a conclusão do curso escolhido, se limitando ao pagamento parcial de juros durante o período de estudos.

Acabou o tempo onde o acesso ao ensino superior ou técnico dependia da disponibilidade imediata de recursos financeiros próprios ou da ajuda de algum amigo ou parente disposto a bancar esse sonho. Hoje em dia, as instituições financeiras e o próprio Governo oferecem diversas opções para que mais e mais pessoas de todas as idades possam cursar uma faculdade ou se formar em um curso técnico.

Com relação aos apoios oferecidos pelo Governo Federal, podemos citar o FIES – Programa de Financiamento Estudantil, que foi criado em 1999 e que visa oferecer melhores condições de pagamento das matrículas e mensalidades para pessoas de baixa renda. Neste tipo de crédito estudantil, os juros vão de 3,5% a 6,5% dependendo da modalidade e do curso escolhidos, havendo a possibilidade de financiar até 75% do valor total a ser pago pelo estudante.
Crédito Estudantil do Governo

O prazo para pagamento também é uma grande vantagem deste crédito estudantil, pois, durante o curso o estudante pagará apenas uma parte dos juros devidos a cada trimestre, não podendo exceder R$ 50,00 a parcela. Após o término dos estudos o beneficiário do crédito ainda terá uma carência para iniciar os pagamentos de valor equivalente ao valor mensal não coberto pelo FIES que foram pagos no último período de curso. O saldo devedor deverá ser quitado no período de uma vez e meia o tempo em que o benefício foi utilizado.

Além do Governo Federal, instituições financeiras e bancos privados também oferecem opções de crédito estudantil com políticas diferenciadas. É uma opção para quem não se encaixa nos requisitos para se inscrever nos programas do Governo, mas fique atento aos juros cobrados, que podem passar dos 12% ao ano! A dica é sempre pesquisar todas as opções disponíveis e fazer as contas, nessa hora o lápis e o papel serão seus melhores conselheiros.

Assim como em todo o financiamento ou crédito pessoal, o ideal é que a parcela a ser paga todo mês não ultrapasse 30% da renda mensal, para que assim se possa manter o equilíbrio financeiro e fugir do efeito “bola de neve” onde muitas pessoas acabam perdendo o controle das contas e criando dívidas muito maiores.

Lembre-se, a chance de que a sua capacidade de pagamento aumente depois da conclusão do curso com uma posição de trabalho melhor é grande, mas grande também é a sua responsabilidade para que sua carreira não comece já tendo que lidar com dívidas que fugiram do seu controle. A palavra de ordem é: PLANEJAR, sempre!

Comente aqui !